O calvário pode render bons frutos

Em 2002, caíram Botafogo e Palmeiras. Em 2003, o Bahia. Em 2004, Grêmio e Guarani. Em 2005, Atlético Mineiro e Coritiba. Em 2007, o Corinthians. Já neste ano, foi a vez do Vasco da Gama mergulhar rumo à segunda divisão. Ou seja, nos útlimos sete anos, nove campeões brasileiros conquistaram a indesejável vaga na Série B do futebol nacional. Se caminharmos mais alguns anos em direção ao passado, notamos que o Fluminense puxou a fila em 1997 e, nao contente caiu para a Série C no ano seguinte.



A observação de cada caso mostra o quanto um trabalho eficiente de comunicação junto à sua torcida foi determinante para a volta ou não de cada clube à elite nacional. O Fluminense, pioneiro da turma, quando rebaixado pela primeira vez entrou em uma profunda crise e não se preocupou em apagar o crescente incêndio que se formava nas laranjeiras. O resultado foi o distanciamento da torcida e a queda inacreditável para a terceirona. Após isso, a diretoria tricolor enfim abriu os olhos e passou a despertar no torcedor o orgulho de torcer pelo seu time, independente do lugar onde ele se encontre. Só o apoio das arquibancadas poderia resgatar a equipe. Além disso, o clube passou a ser comandado pelo treinador tetra campeão mundial Carlos Alberto Parreia. O resultado não poderia ter sido outro, em pleno domingo ao meio dia era possível encontrar mais de trinta mil vozes cantando e incentivando o Fluminense no Maracanã em partida contra o Dom Pedro de Brasília, formado por atletas-bombeiros. Sendo assim, o tricolor carioca subiu à série B e ainda contou com uma forcinha externa ao ser pescado diretamente para a primeira divisão do país, para disputar a recém formulada Copa João Havelange. Ainda assim a equipe fez uma bela campanha e terminou entre os primeiros colocados da competição. As laranjeiras voltavam a se empolgar com o futebol.

No fim de 2002, quem chorava eram as torcidas de Palmeiras e Botafogo, que caíram juntos para a segundona. Dessa vez, no entanto, os clubes não baixaram a cabeça e trataram de voltar à elite logo no ano seguinte. Para conseguir esse feito, a participação dos torcedores foi crucial e campanhas como a "Botafogo no Coração" - tida como propulsora do movimento "Ninguém Cala" no alvinegro - foram lançadas e auxiliaram a lotar semanalmente os estádios das duas equipes, que se reergueram e voltaram cheias de orgulho ao topo. Há muito palmeirenses e, principalmente, botafoguenses não sentiam tanta emoção ao vestir as camisas de seus times.

Em 2003 foi a vez do Bahia, que assim como em 1998, quando caiu ao lado do Fluminense, não conseguiu voltar. Mas dessa vez não foi pescado. A diretoria do clube não precisou convocar a torcida, que sempre foi espontaneamente à Fonte Nova. Porém, perdeu grandes oportunidades de tocar os fanátiscos adeptos do tricolor baiano, maior clube do nordeste. O que se viu foi uma péssima campanha e mais tarde viria uma vaga na Série C. Atualmente o Bahia se encontra estacionado na segundona.

No ano seguinte caíram Grêmio e Guarani. Enquanto o primeiro conseguiu até mesmo aumentar o seu número de sócios e revelar bons nomes, como o meia Anderson, hoje na seleção brasileira. O alviverde de Campinas despencou para a terceira divisão e quase fechou as portas. O retorno do Grêmio até hoje é lembrado, por muitos, que se recordam perfeitamente da chamada "Batalha dos Aflitos", onde o Grêmio, com apenas sete jogadores em campo, batia o Náutico em Pernambuco e voltava à elite. O jogo inclusive virou documentário e pode ser encontrado em DVD. Já o Guarani, vem se reestruturando aos poucos e nesse ano conseguiu enfim sair da Série C.

Em 2005, Atlético Mineiro e Coritiba embarcavam rumo à segundona. O Galo começou tropeçando, mas após intervenções da diretoria, o torcedor passou a ir em peso no Mineirão, que foi palco de lançamento de novo uniforme, visitas de personalidades e, na última rodada recebeu Wilson Sideral e Beth Carvalho, que embalou a torcida atleticana com "Vou Festejar", música mais ouvida nas arquibancadas do Gigante da Pampulha em 2006. Nesse mesmo dia, foi registrado outro feito inédito, a massa alvinegra ocupava simultaneamente os dois maiores estádios de BH. A diretoria atleticana ainda usava gritos inéditos da torcida, como o "Vamos subir Galôôô!!!" para vender camisas e gerar receitas. Já o Coritiba foi irregular, chegou a estar perto da vaga, mas teve que esperar um ano para ver a diretoria agir, convocar a sua torcida para comparecer em massa ao Couto Pereira e, no fim de 2007, celebrar a volta à elite.

Após um ano sem grandes rebaixados, a segunda maior torcida do país conheceu a Série B. No final de 2007, o Corinthians perdia para o Grêmio e via a Série A mais longe. A diretoria do clube, no entanto, agiu rapidamente e logo lançou a campanha "Nunca vou te abandonar", que mexeu com o orgulho da Fiel Torcida, que abraçava ainda ali a causa em torno da volta do time ao topo. Meses depois foi a vez da caisa roxa, polêmica mas lucrativa, que fazia alusão à paixão entre o torcedor e o Corinthians. O resultado foi a melhor campanha já registrada por um time na segunda divisão do país, o clube do Parque São Jorge foi campeão com sobras e ainda teve tempo de ganhar muito dinheiro alugando espaços em sua camisa para que torcedores exibissem seus rostos na última rodada. E o Corinthians voltou pensando grande, ao anunciar Ronaldo, candidato a mais badalada contratação da história do futebol brasileiro. Se vai dar certo ninguém sabe, mas é a maior ação de marketing da temporada. Camisas se esgotaram em instantes nas lojas de São Paulo.



Neste ano, foi a vez do Vasco da Gama dar adeus ao topo. Resta saber se o clube vai conseguir usar a ocasião para se reestruturar como fizeram muitos, graças a uma comunicação eficaz entre diretoria e torcida, ou estará fadado a mais uma temporada decepcionante. Oportunidades não faltam, modelos existem, e parece que a diretoria já se movimenta, a frase "O sentimento não pode parar" parece ser a bola da vez.

1 comentários:

Lígia Souto disse...

Adorei a foto do Botafogo!
Otimo o Corinthians contratando o Ronaldo, quem sabe assim ele volta pra segunda divisão! Depois daquele titulo de 2005 robado.
Muito bom o texto Thiago.

 
CRIA Plano © 2010 | Designed by Chica Blogger | Back to top